Esperança e solidariedade após a tragédia

Redação 04/07/2024
Atualizada 2024/07/04 at 5:58 PM
Esperança e solidariedade após a tragédia
Inscreva-se no Google News do Portal de Recuperação

“Na minha casa, a água atingiu as paredes, portas e janelas, está tudo mofando por causa da umidade, mas eu ainda tive sorte. A casa da minha mãe ficou completamente destruída. Ela conta que essa enchente foi muito pior, muito mais triste do que a de 1941”. O desabafo é da dona de casa Maria Silveira Gonçalves, 63 anos, moradora do bairro Menino Deus, em Porto Alegre.

A mãe da Maria, Olga Silveira Gonçalves, de 93 anos, mora ao lado da filha. “Minha mãe tinha 11 anos quando pegou a enchente de 41. Ela conta que a levaram para o centro da cidade, foi bastante complicado também, mas a diferença é que agora não sobrou absolutamente nada na casinha dela, onde eu nasci e cresci”, lamenta a dona de casa.

O relato da Maria é semelhante ao de muitas vítimas do desastre. Para ajudar o povo gaúcho e acompanhar o trabalho de reconstrução do estado, uma comitiva ministerial desembarcou no Rio Grande do Sul nesta quarta-feira (3). Os ministros da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, da Secretaria Extraordinária da Presidência da República de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, e da Cultura, Margareth Menezes, visitaram pontos atingidos pelas enchentes. O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Wolnei Wolff, também estava presente.

Pela manhã, os ministros visitaram o Museu de Arte do Rio Grande do Sul e acompanharam o trabalho de recuperação das obras de arte e documentação. Em seguida, foram a Associação Comunitária e Cultural Quilombola do Areal e ao Mercado Público de Porto Alegre.

“A ministra Margareth Menezes veio ao Quilombo como parte da sua passagem pelo Rio Grande do Sul para investir no projeto de reconstrução do setor cultural. É isso que o presidente Lula espera de nós, ministros, todas as políticas públicas juntas, desde o momento de salvar vidas, abrigar e cuidar das pessoas até a reconstrução, que inclui obras, economia e o setor da cultura também. A nossa presença aqui é a demonstração do compromisso do Governo Federal com o povo gaúcho”, disse o ministro Waldez.

Nesta quarta (3), o Ministério da Cultura anunciou uma série de ações voltadas aos agentes culturais do estado. “Vários equipamentos culturais foram perdidos e isso impacta de uma maneira muito profunda na vida das pessoas da cultura, gestores, cantores, atores. Isso é só o começo dessa ação, a gente sabe que reconstruir o que foi perdido é uma caminhada”, destacou a ministra Margareth.

O ministro Pimenta ressaltou o esforço do Governo Federal para ajudar o Rio Grande do Sul e lamentou que o estado ainda esteja sofrendo com as consequências das enchentes. “Desde o primeiro momento, estabelecemos como prioridade do nosso governo as ações de apoio à reconstrução do Rio Grande do Sul. É um enorme desafio, estamos há mais de 60 dias do início dessa tragédia, mas, infelizmente, a gente anda pelas ruas do estado e ainda enxerga de forma muito nítida as consequências desse desastre. Teremos um enorme desafio pela frente e temos contado com uma onda de solidariedade, carinho e afeto, que emociona e inspira a todos nós”,

Fonte: MIDR

Fonte: Brasil61

Inscreva-se no Google News do Portal de Recuperação
Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *